Por Ana Paula Paixão 


Neste mês de janeiro, o trabalho desenvolvido pelo neurocirurgião da Santa Casa Montes Claros, Dr. Luís Gustavo Biondi, foi capa da revista internacional norte-americana OperativeNeurosurgery, que é considerada uma das mais renomadas revistas de neurocirurgia do mundo, além de integrar o CNS (Congress ofNeurologicalSurgeons). O tema do assunto publicado foi “Técnica de punção ventricular transorbital: uma abordagem anatômica”. 


Dr. Luís Gustavo Biondi, que também é fellowship em neurocirurgia vascular pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), explica que a publicação trata-se da descrição de uma técnica cirúrgica aplicada em situações de emergência neurológica. “De forma mais específica, é um procedimento neurocirúrgico a ser utilizado em situações de vida ou morte, onde há um grande aumento da pressão intracraniana secundária e um quadro de hidrocefalia descompensada. Nesta técnica, inserimos uma agulha canulada no rebordo orbitário superior e seguimos em um trajeto intracerebral até atingirmos o ventrículo cerebral, permitindo a drenagem de líquido cefalorraquidiano e aliviando, consequentemente, a pressão intracraniana”, esclarece o médico.


O reconhecimento internacional do Dr. Luís Gustavo Biondi destaca não apenas sua habilidade excepcional, mas também a contribuição significativa da Santa Casa Montes Claros para o avanço da medicina, conforme ressalta o superintendente Maurício Sérgio Sousa e Silva. “Estamos comprometidos com a excelência e a inovação em prol da saúde e bem-estar da população da nossa região. Esse reconhecimento demonstra ainda a excelência dos programas de residência médica oferecidos no hospital, uma vez que o Dr. Biondi realizou na Santa Casa Montes Claros sua especialização em neurocirurgia. Aproveito para parabenizá-lo pela conquista e também registrar meu agradecimento a todo o time envolvido nos programas de residência”, diz. 


Dr. Biondi explica que o trabalho foi desenvolvido através de uma parceria entre a Santa Casa Montes Claros, Universidade Federal de São Paulo e o Hospital Beneficência Portuguesa. “Realizamos longa análise de dados com exames de imagem, tomografia computadorizada de crânio e face,  a fim de encontrar medidas com relevância estatística que pudessem promover a melhor execução da técnica, incluindo melhor local da punção, angulação e distância a ser percorrida com a agulha de punção. No laboratório de neuroanatomia microcirúrgica, aplicamos a técnica em cadáveres a fim de se comprovar os dados fornecidos pela equipe de estatística e validarmos a execução desta técnica neurocirúrgica”, esclarece o neurocirurgião.

Ele finaliza ressaltando que a importância da publicação e da técnica em si é o fato de poder proporcionar uma redução imediata da pressão intracraniana em casos de hidrocefalia descompensada, permitindo que pacientes graves tenham um mais tempo de vida e, consequentemente,consigam chegar ao hospital de referência e receber o tratamento definitivo. “Em algumas localidades mais isoladas do país, o acesso ao neurocirurgião em situações de emergência nem sempre é realizado de maneira ágil. Tal fato corrobora para que situações, muitas vezes tratáveis, tenham desfechos trágicos devido a demora para transporte, avaliação e condutas específicas do neurocirurgião”, finaliza.


A publicação do trabalho na íntegra pode ser conferido em:

https://journals.lww.com/onsonline/abstract/2024/01000/the_technique_for_transorbital_ventricular.9.aspx?context=featuredarticles&collectionid=51#